Pesquisar este blog

MEIO AMBIENTE

Devemos preservar as espécies do Planeta
   No sangue do Pirarucu:
   Análise de hormônios e proteínas facilita identificação do sexo do maior peixe amazônico

O pirarucu, peixe que pode atingir 200 quilos e três metros de comprimento, é vítima da pesca predatória em toda a bacia amazônica. Ele está na lista vermelha de espécies ameaçadas de extinção elaborada pela União Internacional para Conservação da Natureza (fotos: Jesús Nuñez/ IRD).
A reprodução em cativeiro do pirarucu (Arapaima gigas), um dos maiores peixes de água doce do mundo, esbarra em um obstáculo: a dificuldade de distinguir machos de fêmeas. Esse problema agora pode ser superado com o uso de um novo método que identifica o sexo do animal por meio de uma simples coleta de sangue e da análise de hormônios e proteínas específicos. A iniciativa vai contribuir com a preservação desse peixe amazônico que tem grande valor comercial e está ameaçado pela pesca predatória.

A única diferença física entre machos e fêmeas de pirarucu é sutil e temporária. Normalmente, a faixa laranja que percorre o corpo do peixe se estende até a cabeça do animal. Mas, nas fêmeas em período reprodutivo, essa faixa colorida é interropida.


O novo método foi desenvolvido por uma equipe do Instituto de Pesquisa para o Desenvolvimento (IRD, na sigla em francês), na França, em parceria com o Instituto de Investigações da Amazônia Peruana (Peru). Ele permite identificar o sexo do pirarucu por meio da análise dos níveis de dois hormônios relacionados à sexualidade: o estradiol – mais concentrado na fêmea – e a quetotestosterona – presente no macho.

Outra possibilidade é verificar a presença de uma proteína sintetizada somente pelas fêmeas adultas, chamada vitelogenina. “Ela surge na idade reprodutiva, entre três ou quatro anos, e é responsável pela produção do vitelo, a reserva alimentar do embrião”, explica um dos autores da pesquisa, o bioquímico peruano Jesús Nuñez, do IRD.

Em testes realizados com 29 pirarucus adultos, a análise dos hormônios e a detecção da proteína para determinar o sexo dos animais tiveram eficiência de 95% e 100%, respectivamente. Nuñez diz que o método pode ser usado em outros peixes que não exibam diferenças físicas entre os sexos, como os aruanãs-prateados (Osteoglossum bicirrhosum), encontrados na América do Sul.





A única diferença física visível entre machos e fêmeas de pirarucu ocorre em seu período reprodutivo: nos machos (acima), a faixa laranja que percorre o corpo do peixe permanece prolongada até a cabeça do animal, enquanto nas fêmeas (abaixo) ela é interrompida.
Segundo Nuñez, o método que verifica a presença de vitelogenina no sangue é mais barato e ainda revela os resultados em até 24 horas. Já os hormônios levam três dias para serem retirados do plasma sanguíneo do pirarucu. “Além disso, nossa equipe desenvolveu reagentes para identificar a vitelogenina, reduzindo em até dez vezes os gastos com esses compostos químicos”, conta o pesquisador.

Além da precisão, as duas abordagens apresentam vantagens tanto para os peixes quanto para seus criadores. A técnica não agride o pirarucu e pode ser usada durante todo o ano, já que os hormônios circulam constantemente na corrente sanguínea. Nuñez diz que até a vitelogenina pode ser sempre encontrada nas fêmeas, mesmo fora do período reprodutivo, embora em menores quantidades.

Atualmente, os criadores aguardam a formação espontânea de casais de peixes em grandes tanques. Porém, os primeiros casais expulsam outros pirarucus de seu território, o que torna rara a ocorrência de mais de uma reprodução por viveiro – que tem, em média, 500 m². Com o novo método, os criadores poderão colocar o mesmo número de machos e fêmeas em um único viveiro, atingindo assim elevadas taxas de reprodução.

Além de aperfeiçoar a criação de pirarucus em cativeiro, o método, descrito na revista Fish Physiology and Biochemistry, vai facilitar o acompanhamento das populações selvagens do peixe. Nuñez espera que o aumento da reprodução do pirarucu crie novas oportunidades comerciais para os países em que a espécie ocorre, como Brasil, Colômbia e Peru. 

Nota: Escolhi esse artigo porque para as gerações futuras; Digo a comunidade dos cozinheiros no mundo vai precisar ser muito criativo, e ajudar a criar a cadeia de alimentos sustentável; A escassez da água potável no planeta, a destruição das floretas, o interesse de investidores, com toda certeza vai se tornar cada vez mais restrito os ingredientes como por Ex. a carne do pirarucu e de tantos outros e podemos chamar o oirarucu de nosso bacalhau brasileiro, com a vantagem de ser reproduzido em fazendas aquáticas de água doce



O que população pode fazer desde já,
 para contribuir com a cadeia de alimentos sustentável: 
Ação importante a ser feita é: o recolhimento dos resíduos oleosos que de maneira alguma pode ser descartado em pias, ralos ou em vasos sanitários ou em qualquer outro lugar. 
E certamente vai contaminar os lençóis freáticos e assim comprometendo a reprodução desses animais e os alimentos vão ficar escassos. Se você tem filhos então: Tem que deixar um planeta mais sustentável, para que a produção de alimentos não seja comprometida.      

 Como você pode recolher os resíduos

  Quero compartilhar com o caro leitor uma parceria que eu tenho com  uma empresa que faz o recolhimento dos resíduos oleosos: J.L.S. Recicláveis de óleo vegetal usado; Tel. cel. 021- 998322178. Sr Jorge, Tem sua sede aqui no Rio de janeiro,mas creio que ai em sua cidade já tem alguém fazendo esse trabalho.
Veja uma empresa recolhendo os resíduos
Para informação do leitor, essa reciclagem de óleos usado, produzido bio-combustível, sabão em barra, detergente, etc. Como recolher seus resíduos, pode usar as garrafas pet do refrigerantes que você bebeu, for um restaurante pode estar usando  um tonel plástico, que é fornecido pela empresa que vai recolher seus óleos usados, Uma outra atitude bem importante é também separar seu lixo, isso faz uma grande diferença para o meio ambiente.
Você sai no lucro essas empresas que faz a coleta; Elas dão em troca, panos de chão, detergentes, desinfetantes, cloros, sabonetes, e até dinheiro você escolhe.
as companhias de águas agradece a sua colaboração, e nossos descendentes vão ter uma vida mais saudável, Se todos nós fazer esse apelo para o nosso vizinho hoje mesmo amanhã veremos o resultado  dessa atitude, e você só sai ganhando.
 Pessoas com suas garrafas pet para ser entregue em posto de coleta